ARTIGOS

Profissional influi no resultado de exame de imagem

Alcino Barbosa Jr.
ESPECIAL PARA FOLHA
Folha de São Paulo, 23 de Junho de 2000

Na hora de escolher a clínica para fazer exames de imagem, algumas dicas ajudam a encontrar serviços de qualidade.

O principal critério a considerar é a formação do profissional que faz os exames,que devem ser executados por médicos radiologistas ou sob sua supervisão. Existem aproximadamente 5.000 radiologistas registrados no Colégio Brasileiro de Radiologia.

Outros 5.000 são "extra-oficiais", ESTIMA Luiz Karpovas,diretor do serviço de radiologia Convencional do Instituto de Radiologia do Hospital da Clínica da USP.

Os exames de ultra-sonografia,endoscopia e medicina nuclear (com substâncias radioativas) não são exclusividade do radiologista. A ultra-sonografia pode ser feita também por outros médicos especialistas,desde que treinados para essa função.

A endoscopia é feita por cirurgiões ou clínicos que se especializaram nesse tipo de exames.Os exames com substâncias radioativas(cintilografias) devem ser feitos pelo especialista em medicina nuclear.

O primeiro passo para a boa escolha do local de exame é conversar com o médico que o pediu. "Em geral,os clínicos e os cirurgiões conhecem os melhores profissionais", dis Karpovas.

No caso da ultra-sonografia, esse cuidado deve ser redobrado. "Esse tipo de exame é muito dependente do operador do aparelho. É como uma corrida de carros",afirma Ilka Regina Souza de Oliveira diretora do serviço de Ultra-sonografia do Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da USP.

Fazer o exame com o mesmo médico que realizou a consulta nem sempre é bom. Segundo Aldemir Humberto Soares, presidente do Colégio Brasileiro de Radiologia," quando o médico que consulta o paciente é o mesmo que faz o exame, não existe uma segunda opinião".

Mas isso não significa que ginecologistas e obstetras não possam usar a ultra-sonografia em seus consultórios. "Algumas vezes, esses especialistas usam a ultra-sonografia como ferramenta para confirmar um dado do exame completo", afirma Ilka.

Queixas de exames radiológicos podem ser encaminhadas ao Colégio Brasileiro de Radiologia ou aos Conselhos Regionais de Medicina. O Conselho de São Paulo (Cremesp) registrou 18 denúncias contra exames radiológicos de janeiro de 96 a junho de 2000.

Para prevenir problemas com exames o melhor é esclarecer as dúvidas com o radiologista responsável. "O clima de desconfiança só deteriora a relação do paciente com seu médico" diz Ilka.

3D representa futuro da radiologia

ESPECIAL PARA A FOLHA

Duas novidades na área d radiologia são a ultra-sonografia tridimensional e a tomografia computadorizada helicoidal.

Segundo Ilka Regina de Souza de Oliveira, do Hospital das Clínicas, a ultra-sonografia tridimensional, por exemplo, é um complemento do exame convencional.

O principal uso do exame é no diagnostico das más formações dos fetos como o lábio leporino e a fenda palatina (céu da boca aberto). Ela permite aumentar os detalhes desses defeitos, revelando a face do feto.

"Até o momento, a tridimensional apenas aumenta o nível de segurança do diagnóstico que já tinha sido suspeitado pela convencional", afirma Ilka.

Porém a médica não menospreza a importância do que chama de "lado social, emocional,quase lúdico". A ultra-sonografia faz parte do imaginário das gestantes.As mães querem ver a face de seus filhos", diz Ilka.

A tomografia helicoidal tem uma vantagem sobre a convencional. Ela permite reconstruir por computador a imagem tridimensional dos órgãos.

"Assim,já é possível fazer exames de colonoscopia (intestino grosso), broncoscopia (brônquios) e angiografia (vasos sangüíneos) virtuais, sem introduzir aparelhos no intestino ou na garganta, diz Jacob Szenjnfeld, chefe do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Unifesp.(ABJ)










 

navega

CRB Imagem © 2010 - Todos os direitos reservados | Design: Marketeiros